Memória Paranapanema - Usina Jurumirim - Antonio Carlos Bento dos Santos http://www.memoriaparanapanema.com.br/midia/AntonioCarlos.mp4

Antonio Carlos Bento dos Santos

"Meu nome completo é Antonio Carlos Bento dos Santos, mas o apelido pelo qual sou conhecido é Carlão. Nasci em 8 de outubro de 1950 em Piraju, interior de São Paulo. Meus pais também são daqui. Sou pirajuense nato, algo raro porque o fluxo migratório de trabalhadores de usinas é muito grande. Terminam uma obra e vão pra outra. Eu não. Entrei aqui e já estava pronto. Então, continuei aqui...

Na época da construção da usina eu era moleque e entregava leite lá. Então quando fui trabalhar lá na Cesp, na época acontecia muita indicação. Mas no meu caso foi meu irmão quem falou "ó, tem uma vaga lá. Você não quer ir trabalhar lá na Cesp?". E eu falei "vou"!

Fui para conversar com o encarregado e quando eu cheguei à usina, todo o pessoal veio me cumprimentar. Eles me conheciam desde a quando eu entregava leite. Então fiquei conversando com as pessoas enquanto esperava para conversar com o encarregado. Quando chegou, ele disse "ué? Você conhece todo mundo?" E eu contei minha história e ele respondeu "então vem trabalhar!"... Parece que naquele tempo as coisas eram mais fáceis…

O meu irmão trabalhava lá também, na área de vigilância. Ele era vigilante. Entrei na mesma área e trabalhei na vigilância por 23 anos. Depois fui promovido para mecânico. Mas três anos depois me aposentei.

O vigilante tinha o seu compromisso e horário. Eu trabalhava só à noite. Entrei na Cesp num período muito tenso. Era1969, quando o Brasil inteiro estava sob um terrorismo violento. Então fomos contratados como vigilantes para reforçar a segurança. Mas o contrato era de apenas três meses. Porém, quando terminaram os três meses nós fomos efetivados."  (Trechos da entrevista realizada em 19/06/2012)