Memória Paranapanema - Usina Chavantes - Sr. Aniz Alberto de Abreu http://www.memoriaparanapanema.com.br/midia/Aniz.mp4

Aniz Alberto de Abreu

"Meu nome é Aniz Alberto de Abreu. Nasci em Bariri, na região central do estado de São Paulo, no dia 15 de setembro de 1944. Fiquei em Bariri até uns 18 anos, quando entrei para trabalhar na CHERP, Companhia Hidroelétrica do Rio Pardo, que depois foi incorporada pela CESP(...). Comecei na empresa em um cargo bem baixo, auxiliar de eletricista. Talvez até menos, um servente qualquer. Depois passei para auxiliar de eletricista. Fiz alguns cursos dentro da própria empresa. O pessoal de lá mesmo é que dava as aulas depois do expediente. Antes de começar a operação da usina em Bariri, acompanhei e trabalhei em diversas áreas da montagem. Comecei como auxiliar de montador e, depois de inaugurada a usina, fiz parte do grupo de operação. Fiquei lá até 1968, quando fui transferido para Ibitinga, onde fui para acompanhar o término de montagem da usina. Em setembro de 1970, fui transferido para Chavantes, uma usina bem maior (...).  

Quando cheguei em Chavantes, nós éramos os primeiros operadores da usina. Tanto é que tenho guardado até hoje a capa de jornal de quando a usina foi inaugurada, comigo mostrando para o ex-presidente Médici qual botão apertar para ligar a usina. Na época, essa usina não tinha nem sala de comando, a cerimônia foi na própria sala de máquinas. Era a época do governo militar. Então, meses antes começaram todos os preparativos, com um pessoal coletando os números dos documentos de todo mundo. Os morros que cercam a usina ficaram cheios de soldados do exército. E em 25 de janeiro de 1971, inauguraram essa usina de Chavantes. Nesse dia, a gente não podia nem sair de lá. Eu, que morava na usina, se quisesse ir para a cidade, não conseguiria. Tinha toda aquela coisa de segurança que a gente achava desnecessário, mas na verdade não tínhamos noção do que poderia acontecer. O fato é que não houve nada. Mas, foi um dia bastante tumultuado, cheio de preparos. Quando o pessoal chegou de helicóptero, tivemos até que desligar um aparelho, por conta da proximidade da aeronave (...)." (Trechos da entrevista realizada em 18/06/2012).